Pátria Amada, mãe nem sempre gentil- do berço esplendido para o Divã

O Hino Nacional brasileiro compara a pátria com uma mãe gentil para com os filhos deste solo. Para a psicanalise a função materna tem papel fundamental na formação da personalidade do indivíduo. Comparando superficialmente o papel materno da Pátria e a relação com os cidadãos brasileiros, este texto tem por objetivo levar a reflexão os impactos emocionais e psicológicos da saúde mental dos cidadãos mediante a crise política vivida em nosso país nos últimos anos.

Segundo Teórico psicanalítico Winnicott para o desenvolvimento saudável do ponto de vista mental e emocional do indivíduo é necessário que a mãe ou cuidador responsável tenha algumas capacidades que reunidas ele chama de Mãe suficientemente Boa: seria uma capacidade de conter as angustias do bebe dando sentido e significação as mesmas através da empatia e interpretação adequadas, suprir as necessidades básicas do bebe para que se sinta seguro, protegido e confiante, capacidade de suportar os ataques do bebê, servir de referência para que o bebe possa se identificar e se reconhecer gerando futuramente o senso de identidade e pertencimento; capacidade de saber frustrar adequadamente o Bebe para que possa crescer sabendo lidar com frustrações, capacidade suportava, de acolhimento e de afeto, entre outras.

Falhas na função Materna, ou seja, em algum dos pontos citados acima geram angustias no bebe que se refletiram na vida psicológica adulta podendo até desencadear neuroses e psicoses quando associadas a outras experiências traumáticas que por ventura o indivíduo possa vivenciar. Neste sentido e fazendo uma reflexão da crise Política experienciada por cada um de nós aqui no Brasil e associando a função materna podemos ver um prognóstico de adoecimento emocional e mental de nossa população, como discorreremos a seguir:

O fenômeno de Corrupção exacerbada no meio político gera nos cidadãos uma sensação de decepção. Os escândalos diários nos noticiários apontando grandes empresas e instituições fazem com que os cidadãos percam a confiança e, portanto, o lugar de apoio em instituições que vão desde alimentícias a religiosas. É colocada em xeque a qualidade da alimentação oferecida aos cidadãos brasileiros por grandes empresas, (imaginemos então uma alusão a relação mãe-bebe, um bebe com medo de se alimentar para não ser envenenado) sendo a alimentação é uma necessidade básica de todo ser humano, necessária a sua sobrevivência

A Carta Magna, que seria a base das Leis, norteando direitos e Deveres dos Cidadãos brasileiros, anda num estado frágil pelas constantes alterações e emendas , aliado a isso a crise política coloca também em xeque os direitos adquiridos pela população, a exemplo os direitos trabalhistas, essa situação gera uma tensão muito grande onde é acionado mecanismos primitivos e inatos em todo ser humano para manutenção se sua própria sobrevivência; hostilidade, individualismo e agressividade surgem nas formas de relação e interação social.

A constante ameaça de perigo gerada pela instabilidade política corrobora para ações violentas das pessoas principalmente durante alguns tipos de manifestações. O Estado não tendo a capacidade de suportar os ataques de seus cidadãos de forma a entender, conter e responder adequadamente, usa apenas a forma repressiva na tentativa de eliminar a situação. Essa repressão e falta de significação são substituídas pelo sentimento de medo e culpa, há o aumento da insegurança pelo vazio  gerado na extrema falta de diálogo entre Estado (mãe) e população (filhos). Em resposta há um aumento da criminalidade e transgressão de leis que já não fazem sentido.

Os escândalos políticos partidários também fazem com que os cidadãos brasileiros não se reconheçam representados em seus próprios candidatos, havendo uma negação perdem o senso de identidade pois não se veem refletidos na Pátria, em lugar apenas fica um sentimento de  estranhamento. Os cidadãos ficam vulneráveis a ações midiáticas e ideológicas na busca de  amparo e sustento.

Falta de segurança, confiança, esperança, instabilidade e medo constante geram na população a angustia de desamparo e assim aumenta-se os casos de adoecimento psicológico e mental, tendo como sintomatologia: Alcoolismo, Adicção, Estresses, Ansiedades, Fobias, Síndrome do Pânico, Depressões a até mesmo alguns Surtos Psicóticos que levam ao Suicídio e Homicídios.

Estaria na hora então da Mãe gentil levantar-se do Berço esplendido e deita-se num Divã?

Texto escrito por:

 Flavia Fernandes Leonardo dos Santos-

Psicóloga Clínica- CRP 06/136268 , Coach e Conselheira de Direitos Humanos e Participação Social.  Atendimento e agendamento de consultas: 11 94007-3408- whats flavia@psycoaching.com.br – Facebook: @psyflavia.leo

 

 

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

2 respostas a Pátria Amada, mãe nem sempre gentil- do berço esplendido para o Divã

  1. dotransfer diz:

    Muitos do povo não quer saber de política e a cada dia se afasta mais. Afinal quem se mete na política boa coisa não é.
    No Livro “Politica para não ser idiota” vemos que na verdade quem é idiota é justamente quem acha que não prática política (ainda que o faça mesmo sem saber).

  2. Mednei diz:

    Muito bao reflexão. Temos que repensar alguns conceitos pois sou parte deste povo que necessita de tratamento. São muitos os traumas e constantes os ataques gerenciar e administra está cada dia mais difícil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *